A MÚSICA ÁRABE

Dominante na cultura musical do mundo islâmico, a música árabe teve seus princípios assimilados por povos não árabes, como mouros, persas e berberes. Apenas alguns países onde se introduziu o islamismo, como a Índia e a Indonésia, conservaram os estilos nativos.

A música árabe tem uma teoria e um processo de notação que remontam aos gregos, ocorrendo como manifestação aparentemente mais lúdica do que estética, aberta a sugestões e improvisações do momento.

A música árabe caracteriza-se por sutil combinação de melodia e ritmo, a que se sobrepõem a improvisação virtuosística e a rica ornamentação. As melodias constroem-se com base nos maqamat (forma plural de maqam, "modo"), dos quais se conhecem mais de cem. Um maqam é uma entidade musical complexa, cujo caráter específico se define pelo uso de determinada escala; de pequenas unidades melódicas e rítmicas, desenvolvidas segundo fórmulas típicas dentro de limites pré-determinados; e pela fixação de notas predominantes.

O executante improvisa dentro da estrutura de cada maqam, a que se atribui uma conotação emocional ou filosófica específica (tathir). Os ritmos organizam-se em iqaat, padrões cíclicos de tempos fortes e fracos. É uma música sempre monofônica, isto é, consiste numa única linha melódica. A noção de harmonia encontra-se inteiramente ausente, embora às vezes oitavas, quintas e quartas, em geral abaixo da nota melódica, sejam usadas como ornamentação. A música árabe é transmitida oralmente, embora exista notação e teoria, segundo os antigos padrões gregos.

Intimamente ligadas à poesia, as formas musicais alteram solos vocais com interlúdios instrumentais. Há o taqsim, improviso de solista acompanhado por alaúde ou grupo de instrumentos, o bashraf, com quatro partes e refrão, o nawba, espécie de suíte do norte da África. A improvisação é sempre fundamental.

Os instrumentos de corda representam a família mais importante, destacando-se o ud (alaúde), o qanun (saltério), o santur (cítara), o rabab (rabeca). A percussão inclui címbalos (sanuj) e pandeiros (duff). Entre os instrumentos de sopro, destacam-se a zorna, a gayta, o buq (trompa), o nafir (trombeta) e vários tipos de flauta.