Vitoria de Santo Antão | Cidade de Pernambuco

Vitoria de Santo Antão | Cidade de Pernambuco

Vitoria de Santo Antão | Cidade de Pernambuco
Padroeiro: Santo Antão
Aniversário da cidade: 6 de maio
Fundação: 1811
Gentílico: vitoriense
Estado: Pernambuco
Mesorregião: Mata Centro
Microrregião: Vitória de Santo Antão
Municípios limítrofes: Glória do Goitá, Pombos, Moreno, Escada.
Solo: argiloso
Relevo: ondulado e montanhoso
Vegetação: floresta sub-perenifólia
Ocorrência mineral: feldspato, quartzo e mica
Precipitação pluviométrica média anual: 1.834 milímetros
Meses chuvosos: abril – julho
Distância até a capital Recife: 49 quilômetros
Área: 368 km²
Densidade: 341,2 hab./km²
Altitude: 147 metros
Clima: tropical atlântico
Fuso horário: UTC-3
População: 130.540 habitantes. Urbana: 99.344 hab. Rural: 21.925 hab.

A cidade da Vitória de Santo Antão, localizada no planalto Borborema, encon­tra-se a 48 km do Recife, a uma altitude média de 157 metros acima do nível do mar. Sua população é esti­mada em 130 mil habitantes.

Seus 372 km2 de área, que se distribuem entre a mata úmida e a mata seca, fazem limites com os se­guintes municípios: ao nor­te, com Glória do Goitá e Chã de Alegria; ao sul, com Escada; ao sudoeste com Primavera; a nordeste com São Lourenço da Mata; ao leste com Moreno e Cabo e ao oeste com Pombos.

As regiões limítrofes à Glória do Goitá e Pombos, próximas ao agreste, apre- sentam-se mais áridas, en­quanto as localizadas ao leste e sul são mais úmidas. Sua topografia apresenta-se irregular, com aspecto on­dulado e montanhoso. Do ponto de vista geológico, todo território municipal, é constituído por rochas cris­talinas da idade pré-cam- briana.

Sua vegetação é do tipo floresta sub-perenifólia ou seja, uma vegetação exu­berante, composta de árvo­res com caules retilíneos, al­tas e detentoras de grande número de folhas sempre verdes, todavia, a ocupação desenfreada destruiu prati­camente sua mata atlântica original, restando, hoje, pe­quenos e reduzidos núcleos.

Vitoria de Santo Antão

Formação Administrativa de Vitoria de Santo Antão

• Distrito criado com a denominação Vitória de Santo Antão, por alvará de 14-03-1783 e pela lei municipal nº 192, de 16-05-1914.

• Elevado à categoria de vila com a denominação de Vitória de Santo Antão, por  alvará de 27-07-1811, desmembrado de Olinda. Instalado em 28 ou 29-05-1812.

• Elevado à condição de cidade e sede do município com a denominação de Vitória, pela lei provincial nº 113, de 16-05-1843.

• Pela lei municipal nº 168, de 15-06-1908, foram criados os distritos de Mocotó, Peri-perí e Pombos, criados também pela lei municipal nº 192, de 16-05-1914, e anexados ao município de Vitória.

• Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município é constituído de 4 distritos: Vitória, Peri-Perí, Mocotó e Pombos.

• Pelo decreto municipal nº 6, de 08-11-1930, o distrito de Pombos passou a denominar-se São João dos Pombos.

• Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município é constituído de 3distritos: Vitória, Peri-Perí e São João dos Pombos (ex-Pombos). Não figurando o distrito de Mocotó.

• Pelo decreto-lei estadual nº 235, de 09-12-1938, o distrito de Peri-Perí passou a denominarse Pirituba o distrito de São João dos Pombos voltou a denominar-se Pombos.

• Pelo decreto-lei estadual nº 952, de 31-12-1943, o município de Vitória passou adenominar-se Vitória de Santo Antão.

• Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o município já denominado Vitória de SantoAntão é constituído de 3 distritos: Vitória de Santo Antão, Pirituba (ex-Peri-Perí) e Pombos (ex-São João dos Pombos). Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1960.

• Pela lei estadual nº 4989, de 20-12-1962, desmembra do município de Vitoria de SantoAntão o distrito de Pombos. Elevado à categoria de município.

• Em divisão territorial datada de 31-XII-1963, o município é constituído de 2 distritos: Vitória de Santo Antão e Pirituba.

• Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Alterações toponímicas municipais

• Vitória de Santo Antão para Vitória, alterado pela lei provincial nº 113, de 16-05-1843.

• Vitória para Vitória de Santo Antão, alterado pelo decreto-lei estadual nº 952, de 31-12-1943

Vitoria de Santo Antão

Lazer e Gastronomia

No setor de lazer e de gastronomia, Vitória de Santo Antão oferece várias opções. Bons restaurantes, com variada cozinha típica e regional. Casas de entre­tenimentos, tais como: Ga­mela de Ouro, Golden Gol, Palácio, Roberta Miranda Parque Show etc. Que ofe­recem agradáveis e praze­rosos momentos aos seus frequentadores. Entre os clubes tradicionais con­tinuam em pleno funcio­namento as sedes do “O Leão”, “O Cisne”, o “Pitú em Folia” e a “AABB”.

Como festa popular, re­gistramos o carnaval, a ma­nifestação mais tradicional e estonteante da cidade. Vi­tória de Santo Antão man­tém vivo seu esplendoroso e diversificado carnaval, do qual participam mais de cem agremiações, entre elas “O Camelo”, “O Cisne”, “O Leão”, “A Girafa”, “A Cebola Quen­te” “A Zebra” “O Boi Vitória”, “Taboquinha”, “Urso Branco”, “É Tesão” etc. Outra tradição da cidade são as festas juni­nas com suas fogueiras, fo­gos, comidas típicas, quadri­lhas e forró pé de serra.

Além destes folguedos populares, Vitória de San­to Antão mantém vivos seus tradicionais pátios de fes­ta com rodas gigantes, car­rosséis, barcaças, balanços, trem fantasma etc., que fun­cionam por ocasião das fes­tas religiosas de Santo Antão, Nossa Senhora do Livramen­to, Nossa Senhora Aparecida e São José.

A República das Tabo­cas oferece ainda, aos seus filhos e visitantes, algo inusi­tado para uma cidade do in­terior, um Zoológico. Aliás, somos o único município do interior pernambucano, que tem uma atração de tal por­te. Nosso Zoológico, fonte não só de entretenimento, mas também de informações biológicas, encontra-se no alto do Parque Melo Verçosa.

Religião

Vitoria de Santo Antão - PeVitória de Santo Antão é uma cidade essencialmen­te religiosa e tradicional­mente cristã, com predomi­nância de católicos romanos e evangélicos. Os católi­cos distribuem-se por vá­rias paróquias: Santo Antão (padroeiro da cidade), Nos­sa Senhora do Livramen­to, Nossa Senhora da Con­ceição Aparecida e São João Batista, Nossa Senhora de Fátima, São José e São Vi­cente de Paula. Entre as ma­nifestações religiosas católi­cas merece destaque a festa de Santo Antão que aconte­ce no dia 17 de janeiro. Nes­ta data comemora-se efusi­vamente o padroeiro com secular procissão que teve início em 1626, com certeza a mais antiga do Brasil.

História de Vitoria de Santo Antão

Cidade de Braga – Em 1626 O português Antonio Diogo de Braga, vindo da Ilha de Santo Antão do Cabo Verde (Portugal), fixou residência com seus parentes e edificou uma capela em homenagem a Santo Antão da Mata.

Santo Antão da Mata – Em 1774, a cidade de Braga foi chamada de Santo Antão da Mata, quando já tinha população estimada em 4866 habitantes. Aos sábados eram realizadas feiras livres, onde os moradores fabricavam seus produtos artesanalmente, para atender comboios que vinham do sertão de Minas para comprar esses gêneros.

Santo Antão da Mata, além de sua situação privilegiada em termos de cursos d’água, situava-se como ponto de passagem do caminho que de destinava ao São Francisco através do Vale do Mocotó. O povoado, nessa condição, deve ter tido um relevante papel comercial, no qual se destaca o fato de que “em suas feiras semanais, os tropeiros vendiam gado para o abastecimento de Olinda e Recife, além de rapaduras e mel (fabricados nas engenhocas da freguesia), pano de algodão, tecidos (em modestas oficinas domésticas) e etc.

Vitória de Santo Antão – Evoluindo sucessivamente da condição de povoação a freguesia, passando posteriormente à categoria de vila pelo alvará Régio de 27 de Julho de 1811, assinado pelo então Príncipe Regente D. João, a mesma foi oficialmente instalada em 28 de maio de 1812.

Do seu território, faziam parte as freguesias de Bezerros e Santo Antão, abrangendo uma grande extensão de terra. “correspondendo, hoje, as áreas ocupadas pelos municípios de Vitória de Santo Antão, Pombos, Chã Grande, Gravatá, Bezerros, Caruaru, Bonito, São Caetano, Sairé, Camocim de São Félix, São Joaquim, Barra de Guabiraba, Riacho das Almas e Cortês”.

Pela Lei Provincial nº113, de 6 de maio de 1843, sancionada pelo Barão da Boa Vista, então Presidente da Província de Pernambuco, foi elevada a Cidade, tendo seu nome mudado para Cidade da Vitória, em homenagem à batalha ganha pelos pernambucanos sobre os holandeses no Monte das Tabocas. Este nome porém, não permaneceu devido a existência de um decreto-Lei que proibia a existência de duplicatas na toponímia nacional.

Após muita discussão, foi definitivamente aceito e reconhecido o nome da Vitória de Santo Antão, em 31 de dezembro de 1943, pelo decreto-lei estadual nº 952, para município, comarca, termo e distrito.


www.megatimes.com.br